sexta-feira, 18 de março de 2011

MEDO ou respeito?? Faltou qualidade ou vontade?

Por Leo Caetano
video

O Dragão entrou em campo hoje para enfrentar o Coritiba caminhando... quero dizer que saiu do vestiário caminhando, parecia sem vontade. Iniciou bem o jogo, e fez 1x0 com o Gilsão Tanajura. Perdeu Felipe por contusão no início do jogo, tomou um gol com erro do árbitro e se perdeu.  No segundo tempo, mais um gol e depois foi um "Deus nos acuda". Sem criatividade, sem força, sem velocidade, não deu. Perdemos em casa, dois gols tomados e vai ser difícil virar esse resultado, mas não esgotou as esperanças.

René foi bem na escalação, dentro das opções que tinha, entrou com Agenor, Ramalho, Pituca e Elvis. Entretanto, apesar do Elvis ser bom jogador, não foi ideal ter estreiado contra o Coxa, mas como estávamos sem opções (era ele ou Keninha), então... Com a contusão de Felipe, Juninho entrou, mas não mostrou todo seu potencial (pelo menos ganhou o escanteio que originou o gol). Ainda no primeiro tempo tomamos o gol de empate, no qual o meio campista Marco Aurélio ficou livre de marcação na entrada da área do Atlético. Este gol mostrou que a equipe perdeu a cabeça com a falta não marcada no meio, em cima do Elvis. Na jogada, todos os zagueiros e os meia defensivos se aproximaram do gol, deixando o meia livre. Este gol desestabilizou o Dragão, que perdeu todo potencial ofensivo e de criação.
Elvis disputa bola no chão. Foto Carlos Costa site Atlético.

No início do segundo tempo, René tirou o Elvis e colocou o atacante Diogo Campos, ficando, como no jogo contra o Goianésia, com três volantes e três atacantes, reduzindo ainda mais o potencial criativo da equipe.  René detectou esse problema, e colocou Preto no lugar de Ramalho, mas este também não contribuiu com a criação e a equipe não produziu oportunidades. Tomamos o segundo gol após linda jogada do meia Marco Aurélio, que limpou Agenor e com chutou no ângulo de Márcio. 

Como sempre, os laterais quase não ajudaram no ataque, e Adriano não estava acertando nem arremesso lateral. A torcida começou a vaiá-lo, o que é um absurdo, pois apesar dele não estar jogando bem, isto desestabilizaria mais o jogador. Por incrível que pareça, depois de vaiado, Adriano começou a jogar melhor, apesar de ainda errar alguns passes. Marcão, como geralmente ocorre quando joga contra grandes times, não apareceu, errou no domínio de bola, saiu muito da área e quando os laterais chegaram na linha de fundo para cruzar, ele estava fora da área, e dentro estavam os 'gigantes' Diogo Campos e Juninho.
Para piorar, no fim do jogo Geraldo ficou cara a cara com Márcio e bateu para fora. Se a bola entra estaríamos eliminados. 

O time do Coritiba marcou muito bem nossa equipe, e como tínhamos apenas um meia criativo, facilitou a marcação. A pouca movimentação de Marcão, Felipe, Juninho e Diogo Campos também ajudou. A equipe do Coritiba é bem ajustada, marcou bem e contra-atacou com perigo, mas não era esse bicho-papão.

No fim do jogo, algumas entrevistas me chamaram a atenção, o que pode mostrar o motivo de nossa derrota hoje. Primeiro nosso Presidente disse que nosso time é fraco para o Brasileirão (não deixa de ter certa razão).  Márcio disse que o time do Coritiba é muito bom e estamos distantes do nível deles. René, antes do jogo, disse no Facebook que iria perder a noite de sono para tentar parar a máquina do Coxa Branca. 

Concordamos que esta era a equipe melhor preparada que o Dragão enfrentou, o ataque é muito bom, meio criativo e possui rotatividade de pessoas que marcam gol, o que dificultaria a marcação, mas estas declarações mostram que a própria equipe do Dragão não acreditava em um bom resultado hoje. Ou achavam quase impossível vencer o jogo. Acredito que o efeito psicológico de uma declarada inferioridade foi o principal motivo de nossa derrota. Fez com que nossos jogadores não acreditassem neles mesmos, reduzindo sua vontade de vencer. Concordo que o time do Coritiba está bem montado e que nós temos deficiências que precisam ser corrigidas, mas faltou auto estima para o Dragão para partir para cima e vencer o jogo. Faltaram jogadas individuais, jogadas criativas, e laterais para cima. Faltaram joagadores para cadenciar e distribuir a bola.

Adicionalmente, mais uma vez o erro de arbitragem fez o Dragão levar um gol e isso desestabilizou a equipe. Está na hora da equipe se acostumar que time pequeno sempre leva "tunda" da arbitragem. Erros de arbitragem como estes devem servir como estímulo para jogar mais e vencer, inclusive o juiz.
O Grito - pintura de Edvard Munch
As boas notícias ficam por conta da diretoria que já tem em caixa o dinheiro do empréstimo do Robston e declarou que será utilizado para contratações de mais jogadores. Adicionalmente, pela primeira vez a diretoria admitiu que necessita de 5 a 6 reforços para o Brasileiro, e que eles virão. Isso quer dizer que a grana de patrocinador deve estar quase acertada. Notícias de bastidores indicam que Friboi deverá ser nosso       patrocinador. Com dinheiro de patrocínio consiguiremos contratar bons jogadores, de preferência 2 laterais, 2 meias armadores, 1 segundo volante e 1 zagueiro.

Não estou dizendo que somos o melhor time do mundo, mas nossa equipe não é ruim. Precisa de peças que deem opções, no caso de algum jogador não estar bem no dia, estar contundido ou suspenso. Precisamos de competividade nas posições, visando que cada jogador dê seu melhor. Ter respeito ao adversário sim, medo não!

Para finalizar gostaria de lembrar da segunda fase da copa do Brasil de 2007, quando perdemos o primeiro jogo em casa para o Fortaleza por 3x2. Mesmo com o placar adverso, vencemos lá em Fortaleza por 3x2, e passamos de fase nos pênaltis. O Dragão pode até não se classificar, mas tem que acreditar, tem que ter raça e "Sangue nos olhos". Como gritou a torcida hoje, Ah, eu acredito!!! Basta aos jogadores também acreditar.

Ficha Técnica
Atlético 1 x 2 Coritiba
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Árbitro: Alício Pena Júnior (MG)
Gols: Gilson (ACG); Marcos Aurélio (2) (COR)
Público: 4.452 pagantes
Renda: R$ 50.500,00
Atlético
Márcio, Adriano, Gilson, Paulo Henrique e Thiago Feltri; Agenor, Pituca, Ramalho (Preto) e Elvis (Diogo Campos); Felipe (Juninho) e Marcão. Técnico: René Simões
Coritiba
Edson Bastos, Jonas, Jeci, Emerson e Lucas Mendes (Dênis); Willian, Léo Gago, Davi (Tcheco) e Rafinha; Marcos Aurélio (Geraldo) e Anderson Aquino. Marcelo Oliveira



2 comentários:

  1. Parabéns, Léo Caetano, pelos comentários. Conseguiu ser racional mesmo na sua paixão. Principalmente por criticar esse lamentável comportamento de parte da nossa torcida. São os que já chegam ao estádio derrotados, quando veem que estam perdendo, torcem contra o time. Realmente é problema de auto-estima!

    ResponderExcluir
  2. Me lembro do primeiro jogo que vi do dragao: a vitoria em cima do Gremio no Olimpico... nao precisa dizer mais nada... Se entrarmos pra jogar com ganas vamos longe. O time é limitado mas podemos equilibrar qualquer jogo com raça e força de vontade... se depender da arbitragem na copa do brasil e campeonato brasileiro ja entramos em campo perdendo de 1 x 0. Abraços a toda equipe do buteco

    Leonardo Mendel
    Montes Claros - MG

    ResponderExcluir